Sábado, 24 de Outubro de 2020
51 98419-1295
Cidades Cidades

Primeira fase do auxílio emergencial melhora condição de vida de 90% dos gaúchos que estavam na extrema pobreza

Mesmo representando 2% do PIB do RS, programa retirou 611 mil pessoas do CadÚnico da condição de extremamente pobres.

13/10/2020 08h44
223
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Rádio Guaíba
Foto: Marcelo Casal Jr / ABr / CP
Foto: Marcelo Casal Jr / ABr / CP

Depois de retirar mais de 90% dos 674 mil gaúchos que viviam na linha de extrema pobreza com os primeiros pagamentos no mês de abril (e 86% dos 261,5 mil que viviam na pobreza), as novas regras do auxílio emergencial em vigor até dezembro poderão levar 360 mil pessoas de volta à condição de pobres ou extremamente pobres. Com a redução das parcelas mensais de R$ 600 para R$ 300 e das novas regras de cadastro, 76,3 mil pessoas entre aqueles na pior situação social seguirão recebendo menos de R$ 89 per capita (que caracteriza a pobreza extrema) e outros 258 mil gaúchos passam ser classificados como pobres (até R$ 178 per capita).

O programa federal criado para atenuar os efeitos da pandemia já destinou R$ 8,67 bilhões aos beneficiados no Rio Grande do Sul até outubro, contemplando 24% da população (2.787.347 beneficiados). Na comparação com os demais Estados, o RS é o segundo com a menor proporção de seus habitantes atendidos pelo programa. A média nacional é de 32% dos brasileiros contemplados.

Se considerar a proporção do total dos valores repassados com o PIB, o RS é o quarto Estado a receber menos recursos (2,05% do PIB), quando a média geral do país ficou em 3,29%. Em compensação, é quarto entre todos os Estados com a maior proporção de auxílios para pessoas fora do Cadastro Único (CadÚnico) e da Bolsa Família: 64% dos que receberam o socorro federal não estavam contemplados em outros programas de transferência de renda. No país como um todo, 49,5% dos que recebem o auxílio emergencial são de pessoas que constam do CadÚnico.

Essas informações fazem parte de um diagnóstico elaborado por técnicos do Comitê de Dados do governo do Estado no combate à Covid-19 sobre os efeitos do programa federal na vida das famílias mais vulneráveis e daqueles que perderam o emprego ou tiveram forte redução de ganhos com a pandemia. Mesmo recebendo proporcionalmente menos recursos em relação à maioria das demais unidades da federação, o RS viu atenuada a situação daqueles extremamente pobres e pobres nos primeiros cinco meses do programa.

“Na sua primeira etapa, o auxílio emergencial assegurou renda total por família igual ou superior ao que tinham antes para 43% das pessoas do CadÚnico. Mais não saíram da linha de extrema pobreza ou da pobreza porque o programa não considera o tamanho da família”, afirma Daiane Menezes, analista pesquisadora do Departamento de Economia e Estatística (DEE/SPGG) e que coordenou o estudo.

Das 674 mil pessoas que até abril tinham renda per capita domiciliar de até R$ 89 por mês, cerca de 438 mil delas receberam entre R$ 178 até meio salário mínimo mensal, ao passo que 173 mil ficaram acima de R$ 519,50 naquele mês.

Dos 261 mil gaúchos que estavam classificados como pobres antes da pandemia (renda per capita de entre R$ 89 e R$ 178/mês), 174 mil avançaram em abril para ganhos entre R$ 178 e meio salário. E 51 mil pessoas desse grupo passaram a ter ganhos acima dos R$ 519 naqueles 30 dias.

Impacto das mudanças

Mesmo com as mudanças para os últimos quatro meses do ano, o auxílio emergencial seguirá com ganhos positivos para o contingente dos extremamente pobres antes da pandemia: 87% deles conseguiriam ultrapassar a linha da extrema pobreza e 48% inclusive ficariam acima da linha dos considerados pobres.

Para a coordenadora do Comitê de Dados, Leany Lemos, o diagnóstico é fundamental para se compreender o impacto do programa de socorro federal durante a pandemia, assim como reforça a importância de uma política social voltada aos mais vulneráveis. “O auxílio emergencial cumpriu um papel importante no momento mais crítico da pandemia, e reduziu seus impactos na população mais vulnerável, assim como programas semelhantes implementados em diversos países. A política de transferência de renda foi importante para prover condições mínimas para as camadas da nossa população que mais precisam e reduziu o impacto das medidas relativas ao Covid-19 na economia, mantendo consumo e ajudando a mitigar efeitos nos empregos”, afirma.

Leany Lemos alerta, porém, que os gastos relativos ao programa não podem inviabilizar a saúde financeira do Estado brasileiro. “Sua continuidade é importante, desde que respeitada a política fiscal responsável. Isso significaria rever benefícios fiscais e despesas da União para comportar sua continuidade, ainda que com valores menores”, observa.

O estudo mostra, no entanto, que o corte das parcelas mensais pela metade e demais alterações de cadastro farão com que o impacto positivo do programa caia mais do que pela metade entre todos os beneficiados. Além das 360 mil pessoas que voltariam a ser pobres ou extremamente pobres, o universo de 225 mil pessoas pobres e extremamente pobres que chegaram a receber acima de meio salário mínimo em abril, agora está reduzido a 7 mil beneficiados.

Quer fazer parte do grupo do Portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.