Sexta, 14 de Agosto de 2020
51 98419-1295
Dólar comercial R$ 5,43 1.116%
Euro R$ 6,43 +1.4%
Peso Argentino R$ 0,07 +0.679%
Bitcoin R$ 68.660,62 +1.53%
Bovespa 101.353,45 pontos +0.89%
Economia RURAL

Principais safras do RS podem ter perdas de 9% e 20% por estiagem

Emater entregou análise de perdas do milho e da soja para o governo do Estado.

15/01/2020 08h39
143
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Correio do Povo
Governador se comprometeu a apoiar culturas contra as perdas | Foto: Cotrijal / CP Memória
Governador se comprometeu a apoiar culturas contra as perdas | Foto: Cotrijal / CP Memória

O Rio Grande do Sul tende a perder 20% de sua safra de milho e 9% de sua safra de soja, segundo estimativas encaminhadas nesta terça-feira pela Emater ao governador Eduardo Leite. Os dados devem subsidiar decisões que o governo do Estado venha a tomar e pedidos que venha a encaminhar ao governo federal para minimizar efeitos da estiagem. O levantamento também se integra à lista de sugestões entregue por representantes da Famurs, Fetag e Farsul ao Executivo gaúcho.

Leite recebeu pessoalmente as reivindicações das entidades e se comprometeu com a pauta. “Tudo o que estiver ao alcance do governo do Estado, podem ter certeza que nós iremos trabalhar para mitigar os efeitos e, naquilo que for competência do governo federal, contem conosco”, declarou Leite, informando que já está fazendo os contatos necessários com o Ministério da Agricultura.

O diretor técnico da Emater, Alencar Paulo Rugeri, salientou que os cálculos foram feitos com base na previsão de safra da própria instituição. Em agosto, quando apresentou a estimativa para as culturas de verão, a Emater calculou colheita de 5,9 milhões de toneladas de milho e 19,7 milhões de toneladas de soja. “Nenhuma estiagem anterior teve tanta discrepância”, comparou Rugeri, para ressalvar que a análise da safra atual deve ser muito cautelosa. Isso porque os dados não refletem uma situação homogênea. Há casos em que, no mesmo município, um produtor perdeu tudo e outro nada em decorrência de fatores como chuvas isoladas ou do estágio de desenvolvimento da planta quando faltou água.

Rugeri observa que o cenário “não é bom”, mas também admite que “não é catastrófico”. Lembra ainda que a chuva da sexta-feira passada estagnou a progressão das perdas e que há previsão de novas precipitações nos próximos dias, o que pode tornar a avaliação das consequências da estiagem mais clara.

Quer fazer parte do grupo do portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Curta também nossa página no Facebook, assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

Acontece no RS no Facebook: https://www.facebook.com/acontecenors

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.