Sexta, 14 de Agosto de 2020
51 98419-1295
Geral ALERTA

Especialistas alertam sobre perigos da aranha-marrom

Picada do aracnídeo pode ou não resultar em internação, que necessite da aplicação de soro loxoscélico.

12/01/2020 14h44 Atualizada há 7 meses
972
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Correio do Povo
Houve mais de 4 mil casos registrados envolvendo aranhas-marrons no RS, segundo o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) | Foto: Guilherme Almeida
Houve mais de 4 mil casos registrados envolvendo aranhas-marrons no RS, segundo o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) | Foto: Guilherme Almeida

Ela é pequena, mede aproximadamente um centímetro e tem envergadura de três centímetros, mas uma picada pode trazer problemas. A aranha-marrom pode ser encontrada dentro das casas, se camufla entre as roupas de vestuário e de cama, atrás de móveis, em garagens e porões. Com a incidência do calor, ela sai de seu habitat escuro com mais frequência, mas contatos acontecem tanto no verão quanto em períodos menos quentes. Segundo o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS), houve mais de 4 mil casos registrados no Rio Grande do Sul em 2019.

Picadas de aranhas-marrons podem ou não resultar em internação, que necessite da aplicação de soro loxoscélico, o único indicado para o caso. No entanto, o número de ocorrências em que a injeção foi recomendada vem aumentando nos últimos anos. Em 2017, houve 231 situações deste tipo. Em 2018, 345 casos, e em 2019 subiu para 580.

“Estamos fazendo grupos de trabalho, incluindo profissionais da Zoobotânica para avaliar estes dados. Podemos dizer que acontecem geralmente em áreas urbanas”, informa a coordenadora da Vigilância Ambiental em Saúdo do CEVS, Lúcia Mardini. Ela explica que a sociedade não precisa se assustar. “Não se trata de nenhum surto ou epidemia. A população tem que entender que, assim como os humanos, as aranhas vivem em um ambiente e também pertencem à riqueza do ecossistema”.

Dados preliminares mostram que a região da Serra gaúcha e municípios como Pelotas e Passo Fundo registram boa parte das picadas no RS. Diferente dos outros dois tipos de aranhas peçonhentas que habitam o Estado, a armadeira e a viúva-negra (mais rara), as marrons não são agressivas, não “atacam”. “Ela sai para se alimentar e é esmagada pelo contato com o corpo”, frisa Mardini. A sensação de dor só aparece de 6 a 24h depois. Por isso, não é necessário largar tudo o que está fazendo e correr para o médico. “Mas não se pode demorar demais, porque, com o tempo, pode gerar necrose”, orienta.

Se picada, a pessoa deve procurar uma unidade de saúde. Em Porto Alegre, a referência é o Hospital de Pronto Socorro. Postos de saúde podem fazer o atendimento inicial, mas o paciente é encaminhado ao HPS, pois é lá que se encontra o soro loxoscélico. O enfermeiro coordenador das UTIs do hospital, Gilnei Luiz da Silva, ressalta que não há soluções caseiras para as picadas.

“Lave com sabão neutro e água corrente. Não coce, não passe as unhas. E se dirija ao hospital”, explica. Segundo ele, 90% dos casos de picadas de aranhas na capital gaúcha é motivada pelas marrons. “Metade de ocorrências dentre todos os animais peçonhentos, são deste tipo de aracnídeo” complementa.

Ponto vermelho

A característica da picada de aranha-marrom é um ponto vermelho dentro de um círculo avermelhado, que causa irritação e ardência. Em 2018, uma pessoa morreu em decorrência de uma picada, durante o tratamento que, segundo Gilnei, é lento e gradual. “Nem sempre se chega a precisar do soro. Pode ser tratado com analgésico, antialérgico ou antibiótico. Mas a cicatrização demora, entre 30 a 90 dias. É importante estar atento ao tratamento porque uma picada pode necrosar o tecido da pele. Depende do organismo de cada pessoa, que precisa voltar para analisar o agravamento ou não da lesão”, esclarece.

Mais informações podem ser obtidas pessoalmente no Centro de Informação Toxicológica do RS, e também no site ou telefone da instituição, 0800 721 3000, que também presta serviço em caso de acidentes relacionados a animais peçonhentos.

Quer fazer parte do grupo do portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Curta também nossa página no Facebook, assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

Acontece no RS no Facebook: https://www.facebook.com/acontecenors

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.