Domingo, 01 de Agosto de 2021 07:46
51 98419-1295
Geral Nova Prata / RS

Nova Prata se divide entre indignação e incredulidade após linchamento de homem

Moradores ainda tentam entender o que aconteceu no dia 8 de novembro.

26/11/2020 11h35 Atualizada há 8 meses
506
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Pioneiro - Grupo RBS
Marcas das velas acesas na última mobilização ainda resistem na escada da prefeitura Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Marcas das velas acesas na última mobilização ainda resistem na escada da prefeitura Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Nova Prata vive um momento de apreensão provocado pelo linchamento de Arlindo Elias Pagnoncelli, o Zinho, 39 anos. Tudo parece diferente na rotina do pequeno município desde que o crime ganhou repercussão após a morte do homem. O sentimento ainda é de incredulidade e de busca por explicações. As cenas da selvageria que se arrastaram por 200 metros da Avenida Fernando Luzato e culminaram na morte de Zinho ainda indignam moradores do município com pouco mais de 25 mil habitantes.

Das fortes imagens daquela noite de 8 de de novembro, muitas registradas por câmeras de celulares, em que Zinho foi agredido, após as 22h, restam apenas sinais da marcha de protesto realizada no último domingo, dia 22. As marcas das inúmeras velas ainda estão na escadaria da prefeitura, bem em frente ao local onde os chutes e pontapés cessaram quase às 23h. Zinho morreu em 18 de novembro, após 10 dias  internado em um leito de UTI em Vacaria. Só que a indignação ainda não cessou. Difícil encontrar explicações para um linchamento.

— Uma barbaridade dessas, acho que nem um troglodita faria — opina Claudete Maria de Oliveira, de 58 anos, que complementa:

— Ainda mais uma cidade calma que nem essa.

Por ser uma cidade de pequeno porte, Nova Prata ainda é daqueles poucos município que quase todos acabam se conhecendo. As ruas que ficam próximas da Praça da Bandeira costumam lotar aos domingos. Jovens e adultos consomem bebidas alcoólicas e se concentram numa área inferior a 1 quilômetro quadrado. Um detalhe nesse contexto causa ainda mais revolta: jovens que teriam participado do linchamento tiveram, pouco antes, bebidas pagas pela própria vítima. Cenas e imagens que circulam em redes sociais — e são usadas na investigação — trazem dúvidas e um sentimento:

— É inadmissível um negócio desses — protesta Ivan Schmit, de 56 anos.

Ele conhecia Zinho desde pequeno. Seu filho foi colega de escola da vítima desde os primeiros anos. Schmit ressalta que o lixador era um trabalhador e divertido. Ele se mostrou indignado da forma como as coisas encerram:

— É uma cidade pequena, todo mundo se conhece. Não tem motivo para uma coisa dessas.

A incredulidade vai demorar a passar. Todos esperam por uma resposta para um crime injustificável, o que só deve vir quando todos que participaram do linchamento sejam identificados e a história completa seja esclarecida pela Polícia Civil e os culpados condenados pela Justiça

O QUE JÁ SE SABE DO CASO:

Inicialmente, as informações eram de que 40 pessoas estavam envolvidas diretamente nas agressões contra Arlindo Elias Pagnoncelli. Conforme a investigação foi avançando, os agentes estimam que esse número gire em torno de 15 pessoas. A Polícia Civil identificou que, a princípio, sete adolescentes, além de oito adultos, participaram do ataque. 

Além disso, segundo a investigação, outras pessoas fizeram parte da cena de violência de forma omissa. A delegada responsável pelo caso, Liliane Pasternak Kramm, afirmou, em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade desta quarta-feira (25), que o inquérito prevê, aos envolvidos, pena de homicídio doloso qualificado e lesão corporal, além de incitação ao crime.

Quer fazer parte do grupo do Portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.