Sábado, 05 de Dezembro de 2020
51 98419-1295
Especiais Porto Alegre

Sábado de homenagens a João Alberto em Porto Alegre

Prédio do supermercado Carrefour foi tomado cartazes e flores na Zona Norte da Capital.

21/11/2020 20h04
207
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Correio do Povo
Foto: Fabiano Amaral
Foto: Fabiano Amaral

As homenagens a João Alberto Silveira Freitas, o Beto, continuam neste sábado após o seu assassinato ser registrado em vídeo em Porto Alegre. O prédio do supermercado Carrefour na avenida Plínio Brasil Milano, no bairro Passo D’Areia, na zona Norte, está tomado de cartazes e flores deixados por pessoas que passaram pelo local. São frrases relacionadas ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) e outras, ao lado do logotipo do Carrefour, que dizem: “PM assassino” e “Racismo é inveja”.

Na frente do prédio do Carrefour, foram colocados cartazes com as mensagens: “A Carne mais Barata do Carrefour é a Carne Negra”, “Nossas Vidas Não estão em Oferta”, “Vidas Negras Importam” e “Até quando você vai levar porrada? Até quando vai ficar sem fazer nada”. Beto foi sepultado sob aplausos na manhã deste sábado.

Motoristas ao perceberam a presença das equipes de reportagem na frente do hipermercado buzinavam seus veículos como forma de apoio a Beto, morto covardemente nas dependências do supermercado. O Carrefour permaneceu fechado durante o sábado.

O prédio amanheceu com as marcas do protesto contra a morte de João Alberto na quinta-feira à noite. As paredes do prédio ainda estavam chamuscadas pelo fogo causado pelos manifestantes. Uma parte da estrutura externa estava quebrada e era possível visualizar pedaços de vidro e metal na calçada do hipermercado.

Um dos locais que ficou destruído pelo protesto foi o posto de combustível. Na manhã de sábado, muitas pessoas que passavam pela frente do supermercado paravam para olhar os estragos. Alguns pedestres apoiaram o protesto pacífico realizado na sexta-feira. Outros, criticaram a depredação do patrimônio da empresa. Uma moradora da Plínio Brasil Milano, que não quis se identificar, disse que a melhor maneira de protestar é a população boicotar o estabelecimento comercial.

Uma empresa contratada pelo Carrefour esteve no local, nas primeiras horas da manhã de sábado, para fazer a primeira parte da manutenção dos estragos. Funcionários de outras companhias, que possuem lojas dentro da unidade, também estiveram na parte externa do prédio na tentativa de contabilizar os prejuízos. O acesso ao hipermercado, que teve grades arrancadas estava sendo constantemente monitorado por soldados da Brigada Militar.

Quer fazer parte do grupo do Portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.