Sábado, 24 de Outubro de 2020
51 98419-1295
Dólar comercial R$ 5,63 0.59%
Euro R$ 6,68 +0.97%
Peso Argentino R$ 0,07 +0.43%
Bitcoin R$ 77.452,86 +0.684%
Bovespa 101.259,75 pontos -0.65%
Economia Economia

Aumentos da demanda e do dólar fazem preço da soja disparar

Principal produto de exportação do Brasil subiu 80% em 12 meses, com saca batendo recordes de valor. Consumidor sente efeito no preço do óleo.

13/10/2020 19h39
258
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Portal Gaz
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A demanda aquecida e a elevação do dólar proporcionaram um aumento considerável no valor da soja. Como resultado, um dos itens mais inflacionados ao consumidor é o óleo de soja, que acumulou 19% de alta em 2020, até setembro, no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), sendo o quarto item da cesta básica com maior valorização dentro do índice.

De acordo com a cotação da última semana no site Agrolink, a saca de 60 quilos em Rio Pardo estava sendo comercializada por R$ 141,00. Referência de preço para o Brasil, Passo Fundo tinha a saca a R$ 157,00, conforme a consultoria CMA. Na segunda-feira da semana passada, a saca chegou a R$ 156,00 no porto de Paranaguá e superou a máxima histórica anterior, atingida em 2012 – R$ 153,40 no dia 31 de agosto.

O valor da oleaginosa, o principal produto de exportação do País, subiu 80% em 12 meses, conforme o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq). Na última semana, os preços se firmaram ainda mais, por fatores externos, após o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) ter relatado estoques norte-americanos abaixo das expectativas.

Mesmo em um ano com recorde de produção – o Brasil produziu 124,8 milhões de toneladas no ciclo 2019/20, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) –, os estoques domésticos caíram drasticamente. Dessa forma, a disputa acirrada pelo restante dos grãos e a valorização das exportações alavancaram a cotação doméstica.

E vai subir mais

No artigo “Lucro da Soja Brasileira atingirá maior patamar histórico em 2020/21”, publicado na página do Departamento de Economia Agrícola e do Consumidor da Universidade de Illinois (EUA), de autoria da pesquisadora Joana Colussi e do professor Gary Schnitkey, a perspectiva é de que os preços continuarão a subir no Brasil. “As exportações recordes geraram redução da oferta interna em relação a anos anteriores. A demanda interna continua firme devido às grandes compras de farelo de soja e óleo. Os baixos estoques de soja estão levando as indústrias nacionais a pagar mais”, concluíram os especialistas.

O presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz, afirma que o produtor não consegue captar totalmente a valorização do grão por ter comercializado o produto de maneira antecipada. “O produtor não está ganhando dinheiro. Ele já vendeu essa soja com o preço mais baixo. Essa soja está na mão da indústria. Tem muito pouca soja na mão do produtor rural. Infelizmente, a população está pagando caro e não está chegando na mão dos produtores rurais”, comenta.

Menor oferta e taxa cambial elevada, frisa Antônio da Luz

Na visão do economista-chefe da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), Antônio da Luz, o mercado da soja está baseado em dois fatores neste ano: menor oferta de produto e taxa cambial elevada. “Devemos considerar o real em relação ao seu próprio histórico e ainda o real na comparação com outras moedas. O real foi a que mais se desvalorizou em 2020”, explica. Para ele, a soja que circula no mundo hoje é a que foi colhida no Hemisfério Norte, no final de 2019, além da produção de abril e maio do Hemisfério Sul.

“A quantidade produzida foi menor. Temos menos soja em circulação. Os Estados Unidos perderam 24 milhões de toneladas de soja por conta das enchentes que atrasaram o plantio. Por outro lado, a quebra da safra gaúcha em razão da estiagem influenciou no Brasil, apesar do crescimento registrado em outros estados. Mas foram 10 milhões de toneladas a menos, o que teria amenizado a perda norte-americana. Para resumir, a menor oferta proporcionou o aumento no preço”, analisa.

Mais de 6 milhões de hectares no Estado

Conforme estimativa da Emater-RS/Ascar, o Rio Grande do Sul vai romper a barreira dos 6 milhões de hectares cultivados pela primeira vez nesta safra. Em relação ao ano passado, haverá um aumento de 1,55%. A produção deve chegar a 18 milhões de toneladas, um acréscimo de 69% em relação ao ciclo 2019/2020, fortemente afetado pela estiagem.

O engenheiro agrônomo e assistente técnico regional da Emater/RSAscar, Josemar Parise, salienta que a área de plantio na região será confirmada somente após o encerramento da semeadura, em dezembro. Conforme zoneamento agrícola realizado no início de setembro, haverá 8,3 mil hectares de crescimento na área plantada do Vale do Rio Pardo. Parise salienta que a proporção do preço da soja e do adubo era próxima. Hoje, o preço da soja subiu muito em relação ao adubo. “Mas agora, há pouca soja disponível para venda pelos agricultores, que já haviam comercializado boa parte da produção”, frisa.

Quer fazer parte do grupo do Portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.