Terça, 14 de Julho de 2020
51 98419-1295
Geral Vera Cruz / RS

Morador de Vera Cruz com alcoolismo consegue aposentadoria por invalidez

Benefício deve ser pago em até 20 dias úteis.

01/06/2020 13h16
216
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Portal Gaz
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) determinou, no último dia 28, que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) conceda, em até 20 dias úteis, o pagamento de aposentadoria por invalidez a um segurado, morador de Vera Cruz. Ele tem dependência alcoólica e doença psiquiátrica que incapacitam as atividades laborais. O relator do caso na Corte, juiz federal convocado Altair Antonio Gregorio, concedeu a tutela de urgência do pedido, reconhecendo a importância ainda maior de garantir benefícios neste período atual de isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19.

O vera-cruzense ajuizou a ação previdenciária requerendo a concessão de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez desde 2008, quando teve o primeiro pedido administrativo negado pelo INSS. Ele sustentou que o alcoolismo impossibilita o trabalho há 12 anos, afastando-o completamente das atividades em outubro de 2014. Segundo ele, o quadro de saúde foi agravado ao longo dos anos, chegando a causar a apreensão da carteira de motorista por dirigir embriagado em 2015.

O pedido foi analisado em primeira instância pela 1ª Vara Federal de Santa Cruz do Sul, que indeferiu o requerimento por considerar que o autor já não teria mais a qualidade de segurado desde dezembro de 2015, apontando falta de direito ao benefício em novembro de 2016, quando laudos médicos comprovaram a incapacidade laboral do homem.

Com o indeferimento, o autor recorreu ao TRF4, argumentando que o tempo de condição iria até o final de 2016, já que ele chegou a contribuir por mais de 10 anos à Previdência Social, o que lhe garante 24 meses de período de graça – tempo em que o segurado mantém o vínculo com o sistema previdenciário, mesmo não estando contribuindo e/ou não exercendo uma atividade remunerada.

Na Corte, o relator alterou o entendimento de primeiro grau, reconhecendo que, quando o laudo médico foi emitido comprovando a condição de saúde incapacitante, o autor ainda possuía a qualidade de segurado do INSS por conta da ampliação de período de graça.

O magistrado salientou a urgência da concessão da aposentadoria por invalidez havendo risco de dano ao recorrente por se tratar de benefício alimentar.

Quer fazer parte do grupo do Portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

 

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.