Terça, 14 de Julho de 2020
51 98419-1295
Polícia Planalto / RS

Em novo depoimento, mãe de Rafael Winques sustenta que morte foi acidental

Para defesa de Alexandra Duogokenski, mulher ocultou cadáver por vergonha do filho mais velho.

01/06/2020 08h42 Atualizada há 1 mês
613
Por: Redação Acontece no RS Fonte: Rádio Uirapuru
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Em depoimento que durou mais de cinco horas no sábado, 30, Alexandra Duogokenski, que confessou ter matado o filho de 11 anos na cidade de Planalto manteve versão de que o filho foi morto de forma acidental ao ministrar dois comprimidos de um medicamento para tratar ansiedade.

Jean Severo, advogado que defende Alexandra, disse em entrevista à Rádio Gaúcha na noite deste domingo, 31, que o depoimento foi esclarecedor. “Ela respondeu mais de 200 perguntas de três policiais muito preparados”, disse.

O advogado disse também que o trabalho foi muito proveitoso, e que com a chegada dos laudos periciais e com a reconstituição do crime serão esclarecidos os fatos. “Uma mulher com uma vida correta, uma mãe amorosa, ela era mãe e pai dos dois filhos. O pai do Rafael nem pensão pagava, era um pai ausente. Quando ele fazia trabalho para o dia dos pais ele fazia para a mãe. Eu fico pensando que uma mulher como essa vai levantar um dia e dizer: vou matar meu pequeno? Vou matar meu caçula? Isso não existe” disse Severo.

Jean Severo argumentou que a mulher deu os comprimidos ao garoto para que ele pudesse dormir e descansar.

O advogado sustentou ainda que foi precipitado por parte da autoridade policial, informar uma situação informal e disse que ainda não existe laudo oficial sobre a causa da morte de Rafael Mateus Winques.

Em relação a ocultação do cadáver, Severo disse que em momentos de estress as pessoas tomam as piores decisões, e que a ocultação do corpo de Rafael Winques foi feita por vergonha do filho mais velho.

O Advogado descartou ainda qualquer semelhança do crime com o caso Bernardo. Para Severo, a madrasta de Bernardo Boldrini odiava o menino e no caso de Planalto não há uma motivação para a morte de Rafael Winques.

Alexandra Duogokenski está presa desde o dia em que confessou o crime e levou os policiais até onde o corpo foi descartado. Inicialmente ela foi levada ao presídio de Iraí e posteriormente foi transferida a uma penitenciária de Guaíba.

A polícia não descarta a participação de outras pessoas no crime e aguarda o depoimento do irmão de Rafael que poderá trazer outras informações ao inquérito policial.

A reconstituição do crime deverá ser realizada, porém ainda não tem data definida.

Quer fazer parte do grupo do Portal Acontece no RS no WhatsApp? CLIQUE AQUI para entrar no grupo!

Assim você fica sempre atualizado com as últimas notícias de todo o Rio Grande do Sul.

 

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.